31 de maio de 2011

NENHUM PARTIDO REPETIRÁ COLIGAÇÃO COM PT EM 2012

Há um ditado popular que retrata, fidedignamente, o que está acontecendo sobre a dificuldade que o PT possui de agregar partidos para sua coligação, objetivando as próximas eleições municipais: “fugindo disso, como o diabo foge da cruz”! É que as lideranças partidárias não confirmam nas promessas de quem nunca as cumpre e este é o caso de Geraldo Simões (Cabeça de Pitu). Segundo Renato Costa, ele é inadimplente da palavra. Ubaldo Dantas diz que o que “ele fala não se escreve”. João Xavier afirma que “estúpido é quem confia nele”. Estas expressivas lideranças romperam com Geraldo e desde após as eleições de 2.000 não querem nem conversa com ele. A credibilidade do petista com o este trio peemedebista é tão fétida quanto titica de galinha. Todos sabem que Geraldo Simões é egoísta, mentiroso, enganador, corrupto e traidor. Para aumentar a rejeição do PMDB, seu presidente de honra é Fernando Gomes. Leninha da Auto Escola e sua filha presidente do PPS, Mariana Alcântara, não dão sinais de querer diálogo com Geraldo e anunciam abertamente a impossibilidade de integrar a coligação do PT em 2012. O PPS esteve com o PT nas eleições passadas. Partidos menores como PR, PSC, PHS e PMN, que também estiveram com os petistas nas eleições passadas, já anunciaram que o PT não pode mais contar com eles para a sucessão do Capitão Azevedo. Até o PC do B rejeita o PT. PTB. PDT, PP, PV e PSB são improváveis nas contas do deputado ficha suja, Geraldo Simões. Não há mais com quem contar. Entretanto, o governador Jaques Wagner, que não fez e nem faz nada por Itabuna, pode intervir em alguns partidos e viabilizar uma coligação menos insossa para a candidatura petista, embora ele não esconda sua inaceitação ao nome de Juçara Feitosa. Fora o apoio de um governador parasita, Geraldo também pode contar com a adesão de Ruy Porquinho, que tenta legalizar o PSD, para que o PT não fique só na disputa. Só restou para ele, duas incomodas alternativas. Com ambas ele terá que empreender um tempo demasiado para explicar coisas que não se justificam... e refletir bastante sobre outro ditado popular: “com quem porcos se mistura, farelos come”!

DELEGADO JACKSON SILVA PRESO HOJE COMO LÍDER DE QUADRILHA

Investigações sobre a atuação de uma organização criminosa liderada por Jackson Silva, delegado titular do município de Camacan e pelo major PM José Silvério de Almeida Neto resultaram na prisão dos dois e de outros seis investigadores, duas escrivães, um sargento, dois soldados PMs e de três empresários da região até às 14h desta terça-feira (31). São atribuídos à quadrilha os crimes de peculato, extorsão, tráfico de drogas, homicídios e receptação de carga roubada. Batizada de Operação Esfinge, a ação resultou ainda em sete prisões em flagrante – duas por peculato (apropriação ou desvio de bem público ou sob responsabilidade do poder público), e cinco por porte ilegal de arma -, segundo informou a corregedora chefe da Polícia Civil, delegada Iracema Silva de Jesus. Foram apreendidos quatro rifles, uma carabina, uma pistola, dez revólveres, mais de 200 munições de calibres variados e cinco carros e motocicletas com evidências de adulteração. As investigações sobre as atividades da organização criminosa em Camacan e adjacências tiveram inicio em novembro do ano passado. Os servidores das polícias Civil e Militar participantes do esquema serão encaminhados para as respectivas corregedorias das duas instituições, em Salvador. Os empresários capturados ficarão à disposição da Justiça no Presídio Regional de Ilhéus. As prisões aconteceram nos municípios de Itabuna, Camacan e Ilhéus. PRESOS - Além do delegado Jackson Silva e do major PM José Silvério, foram presos em Camacan os investigadores Carlos Jorge Silva Góes, Clevison José Alves Rocha, Lailson Monteiro Lobo, Paulo César de Oliveira, Thales Santos Carvalho e João Oliveira Larcher (aposentado), as escrivães Carla Cristina Brito Felix e Tatiane Ribeiro Tanajura. Também estão presos o sargento PM Lauro Antônio Oliveira Ferraz, os soldados Lúcio Lima Viana e Matheus Ferraz Costa, além dos empresários atacadistas Edvan Ribeiro Santana, o irmão dele, José Ivan Ribeiro Santana, e José Siqueira Silva. OPERAÇÃO CONJUNTA - A ação desencadeada conjuntamente pela Secretaria da Segurança Pública (SSP) e o Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas e de Investigações Criminais (Gaeco), do Ministério Público, teve início na madrugada de hoje para o cumprimento de 21 mandados de prisão e 25 de busca e apreensão. Com as prisões, segundo o site Pimenta na Muqueca, o município de Camacan ficou apenas com dois policiais civis para os trabalhos de investigação. De acordo com levatamento feito pelo IBGE em 2010, a cidade possui 31.472 habitantes. ASSASSINATO DE EMPRESÁRIA - O empresário Edvan Ribeiro, que foi preso na operação Esfinge, era casado com a empresária Katia Cristina Lima dos Santos, de 31 anos, que foi assassinada dentro do carro na porta de uma Igreja da cidade de Camacan, no dia 28 de outubro de 2010. Kátia estava com os dois filhos e a mãe no momento em que foi assassinada. Ela chegou a ser encaminhada à Fundação Hospitalar de Camacan, mas não resistiu aos ferimentos e morreu. O crime era investigado pelo delegado Jackson Silva, que foi preso hoje.

SENADO APROVA PLEBISCITO SOBRE CRIAÇÃO DO ESTADO DE TAPAJÓS

O plenário do Senado aprovou na tarde desta terça-feira (31) o projeto que prevê a realização de plebiscito sobre a criação do estado de Tapajós, que seria uma divisão do estado do Pará. A matéria já foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. E, em 5 de maio, o plenário da Câmara já havia aprovado um decreto legislativo que autoriza realização de plebiscito sobre a criação de Tapajós, que estaria localizado a oeste do Pará, ocupando cerca de 58% da área total do estado. Ao todo, 27 municípios estão previstos para o estado de Tapajós, que teria Santarém como capital. Após a promulgação da proposta pelo presidente do Congresso, José Sarney (PMDB-AP), o plebiscito poderá ser realizado em até seis meses, de acordo com a organização da Justiça Eleitoral. CARAJÁS - O Congresso já aprovou projeto que prevê um plebiscito sobre a criação do estado de Carajás, que estaria localizado a sul e sudeste do Pará e teria como capital a cidade de Marabá. O novo estado seria formado por 39 municípios, com área equivalente a 25% do atual território do Pará. As informações são do G1.

OMS: CELULAR PODE AUMENTAR RISCO DE CÂNCER

A radiação de telefones celulares pode causar câncer, anunciou a Organização Mundial de Saúde (OMS) nesta terça-feira (31), em Lyon, na França. O uso do telefone móvel como "possivelmente cancerígeno", estaria na mesma categoria do chumbo, escapamento de motor de carro e clorofórmio. Antes do anúncio, entretanto, a OMS havia garantido aos consumidores que a radiação não tinha sido relacionada a nenhum efeito nocivo à saúde. Uma equipe de 31 cientistas de 14 países tomou a decisão depois de analisar estudos revisados por especialistas sobre a segurança dos aparelhos. A equipe encontrou provas suficientes para classificar a exposição pessoal como possivelmente cancerígena para os seres humanos. Isto quer dizer que não há estudos suficientes para concluir se a radiação dos celulares é segura, mas há dados bastantes que mostram uma possível conexão, e que os consumidores devem ser alertados. O anúncio da OMS foi feito após o número crescente de pedidos de cautela sobre o risco potencial da radiação do celular. A Agência Europeia do Ambiente pediu mais estudos, ao dizer que os aparelhos podem ser tão nocivos para a saúde pública quanto o tabagismo, o amianto e a gasolina. A indústria de telefonia móvel afirma que não há provas conclusivas de que a radiação dos aparelhos cause impacto sobre a saúde dos usuários.

PEDÓFILO É COMO O SATANAZ EM PESSOA

A pedofilia por si só é uma das maiores atitudes malditas, odiosas, nefastas, covardes que o ser humano pode realizar, pois é direcionada àquelas pessoas que Deus acaba de colocar no mundo, como sendo um de seus anjos, com uma missão a realizar nessa terra, estipulada por Ele, missão divina, missão para o bem, missão, de ajuda, missão ombreada pela inocência, pela doçura da imagem e pela falta de maldade, pela falta de sujeira em suas almas, pelo ser amável que é a criança. Uma pessoa que tem como filosofia de vida, o respeito pelo ser humano, seja ele criança, jovem, adulto ou idoso, jamais aceitará com resignação o fato de que crianças inocentes sejam sacrificadas em sua inocência, através de atos desumanos, irracionais e satânicos atingindo profundamente a criança no seu mais íntimo dos sentimentos, atingindo-a naquilo que ela mais acredita que é o seu amor pelo ser humano, atingido-a naquilo que ela tem na total esperança e confiança de felicidade, que são as pessoas que tem o dever que isso aconteça, atingindo-a na sua branca alma, ferindo-a, manchando-a, sem que ela tenha predisposição natural para se defender, para lutar contra tamanha maldade, contra esse hediondo crime, porque a única defesa que até então conhece e sente é a sua inocência, fraca nesse momento de tão forte e animalesca covardia. A partir do momento que a nefasta ação é cometida, inicia-se ai um calvário a ser percorrido por essas crianças, pois estão feridas, estão magoadas, estão tristes, estão arrasadas em sua dignidade, sentem medo e vergonha, a alegria de estudar e brincar desapareceu, está entrando em depressão porque o seu EU está muito, muito sofrido e machucado, ai então, o alerta para as pessoas que podem ajudar é acionado, é preciso atitudes positivas e urgentes, é preciso que volte a auto estima, é preciso que a confiança volte, é preciso aconchego, carinho, proteção, atenção e principalmente amor, para poder salvar o que é bom, o que é sublime, o que é bonito que é criança. Percebe-se o quanto é terrível a pedofilia. É maldito o pedófilo, é um doente que merecia ser terminal, pois acima de tudo é um criminoso, que tem o poder não só de matar o corpo, mas tem o poder de ferir a alma que é a morada da inocência, é o coração da inocência, portanto tem um poder que, talvez, por o homem ser um animal, e pela aberração da natureza, surge um homem animal irracional e daí ter que ser tratado como tal, como um animal, simplesmente, um animal ser irracional, tem que ter o seu lugar devidamente colocado na irracionalidade, posto que é irracional, ser colocado a distância do perfeitamente racional, ser colocado a distância de seres que correm riscos extremamente sérios se tornar a convivência possível. Criança nenhuma merece ser tocada, a não ser por aqueles que a querem bem, que a querem feliz, que a amam, que querem torná-la no futuro um adulto do bem, merecedor de dignidade. A criança merece é ser amparada contra qualquer forma de trauma, precisa sempre oportunizar que ela viva feliz, que ela viva com os seus, em paz, e tenha na sua inocência a presença de Deus a protegê-la sempre contra a irracionalidade maldita de um ser dito humano, mas humano pedófilo, portanto, nem tanto humano.

RECADINHO PARA QUEM NÃO GOSTA DE ESTUDAR

Livros e mais livros, textos de diferentes assuntos e tamanhos, notícias, reportagens, resenhas, artigos, teorias da comunicação e muitas outras coisas. Para quem não gosta de estudar tudo isso parece levar à loucura, a vida com certeza é mais fácil sem preocupações, mas chega um momento que estudar é uma necessidade. Sempre levei com muita responsabilidade meus estudos e fui também muito criticado por isso, constantemente fui "elogiado" com apelidos de Professor Pardal, viciado em leitura e coisas do gênero. Hoje trabalho com comunicação, uma atividade que não é muito fácil, pois exige formação critica e principalmente muita leitura. Atualmente sinto como foi importante a minha dedicação durante todo o período que passei estudando, lendo. Esse período foi importante para minha formação critica como pessoa. Fui muito discriminado, tive poucos amigos, não participava do "grupinho", no entanto não me arrependo nem um pouco do que fiz e faria tudo novamente. Os "espertinhos" que me desculpem, mas quem está perdendo é vocês. Por enquanto a vida é fácil, tudo que os professores falam é bobagem. Um dia vocês vão sentir falta dos "chatos" dos professores e aí o tempo vai ter passado e será tarde. Aos "nerds" estudem mesmo, estudar é maravilhoso. Não liguem para a oposição, pois antes ser conhecido como "nerd e cdf" do que como popular e da bagunça. No fim das contas vamos ver quem ganha!!!

RECORD RECLAMA COM AFILIADA QUE EXIBIU "NOITE DA XOXOTA LOUCA"

A direção de jornalismo da Record reclamou com a sua afiliada maranhense que exibiu na última semana uma reportagem sobre um concurso de beleza no interior do Maranhão. Com o nome "A Noite da Xoxota Louca", o vídeo fez sucesso no YouTube, com mais de 2 milhões de visualizações. As informações são da coluna "Radar Online", da revista Veja. O concurso foi realizado no povoado de Maranhão Novo, e exibido pela TV Açucena, afiliada da Record. Depois da exibição, o concurso entrou no Trending Topics do twitter, com os usuários discutindo a escolha da "Miss Xoxota Louca".

MEC NÃO RECOLHERÁ LIVRO QUE ENSINA ERRADO

O ministro da Educação, Fernando Haddad, disse nesta terça-feira (31) que não exigirá o recolhimento do livro “Por Uma Vida Melhor”, distribuído pelo governo nas escolas públicas, após as polêmicas em torno de parte do seu conteúdo. A obra incentiva professores a aceitarem, por parte de seus alunos, construções incorretas em sala de aula do ponto de vista da gramática vigente, a exemplo de "os livro" e "os peixe", típicas da comunicação oral e informal. Em audiência da Comissão de Educação do Senado, Haddad afirmou que não é possível julgar a obra somente por um trecho isolado. "Eu não posso fazer uma avaliação de um livro com base em uma frase pinçada", considerou. O ministro fez ainda um duro ataque aos críticos da obra, que, segundo ele, fazem as considerações sem terem lido o livro. "Há uma diferença entre o Hitler e o Stálin que precisa ser devidamente registrada. Ambos fuzilavam seus inimigos, mas o Stálin lia os livros antes de fuzilá-los. Essa é a grande diferença. Estamos vivendo, portanto, uma pequena involução, estamos saindo de uma situação stalinista e agora adotando uma postura mais de viés fascista, que é criticar um livro sem ler", apontou. Informações da Veja.

PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS OCUPAM A AL-BA

Professores das Universidades Estaduais da Bahia ocuparam, na manhã desta terça-feira (31), o prédio da Assembleia Legislativa do Estado da Bahia. Os docentes, em greve há 57 dias, revindicam a retomada das negociações, que foram interrompidas pelo governo no dia 25 de maio. Segundo a diretora do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes), Maslowa Freitas, caso não seja realizada uma nova proposta, a categoria vai manter a greve e continuar a realizar mobilizações. Dentre as revindicações, os professores pedem a revogação do decreto 12.583 que corta a verba das universidades estaduais, direito trabalhistas, e a autonomia dos centros de ensino. Informações do A Tarde.

SENADO: PMDB SE OPÕE À CPI CONTRA PALOCCI

O senador Eunício Oliveira (PMDB-CE) afirmou nesta segunda-feira (30) que a bancada do PMDB no Senado decidiu não assinar o requerimento que pede a criação de uma CPI para investigar a evolução patrimonial do ministro Antonio Palocci (Casa Civil) até que o Ministério Público se posicione sobre o caso. Segundo o parlamentar, o compromisso foi fechado durante um jantar na casa do vice-presidente Michel Temer (PMDB) e envolve inclusive o grupo de peemedebistas dissidentes, como o senador Pedro Simon (RS). Apenas o senador Jarbas Vasconcelos (PE) não compareceu ao encontro. "Para os que desejavam colocar suas assinaturas nessa questão, ficou o entendimento para que esperássemos a posição do Ministério Público", afirmou. A oposição apostava nos dissidente do PMDB para instalar a investigação no Congresso. No Senado, a CPI tem 18 assinaturas das 27 necessárias. Informações da Folha.

BADEGA NÃO DEVE JOGAR SUA HISTÓRIA NA LATA DO LIXO

José Carlos Veridiano, mais conhecido como “Badega”. Ex-vereador e ex-presidente do PT de Itabuna. Personalidade emblemática e reconhecidamente coerente em seus posicionamentos. Se desligou do ex-prefeito Geraldo Simões, quando constatou que ele possui índole controvérsia e nenhum pouco confiável. Badega se desfiliou do PT sob alegação do partido ser comandado como se fosse uma mercadoria de propriedade particular de Geraldo e que seus aderentes correligionários jamais contestam suas ordens. E as ordens é o PT existir apenas para o endeusar como divindade única, onipresente, onipotente e incontestável. É óbvio que estas circunstancias só cabe a quem se submete a ser “germe do verme do estrume do cavalo do bandido”. Para este papel tacanho e constrangedor, Badega jamais se prestaria. Badega não ficaria num partido comandado, mandado e desmandado por um político Ficha Suja, corrupto, pústula, cínico, mentiroso, traidor, enganador e estas imperfeições de caráter são superabundantes em Geraldo Simões. Badega sabe que Geraldo é bandido do colarinho branco. Fazem quase dez anos que houve o rompimento entre ambos. De lá pra cá, Geraldo só piorou. Nada aconteceu de mudança benéfica em sua conduta. Entretanto, paira sobre as cabeças das pessoas em Itabuna, o boato de que Badega esteja inclinado a retornar ao PT, sob a influencia do ex-vereador Emanuel Acilino (até hoje ninguém sabe onde foram parar um milhão e cem mil reais, que Aclino devolveu do duodécimo da Cãmara, para Geraldo entregar para Geraldo fazer Juçara construir creches nos bairros Santa Inês e Nova ferradas). É claro que este retorno ao PT não se justifica sob a analise dos motivos que fizeram ele se desfiliar num passado recente. E Badega deverá passar o tempo todo tendo que explicar o que fez ele se decidir favorável a única opção política, que o empuraria para o precipício de um lamaçal. Se juntar aos porcos é preferir comer farelos, em detrimento ao manjar da decência, ética, honestidade e coerência na política. E Badega não tem direito de negligenciar contra sua própria história. Voltar ao PT de braços abertos, é para ele receber um abraço de tamanduá de quem tem “cabeça de pitu!

30 de maio de 2011

LIBERDADE DE EXPRESSÃO: ENDURECER SEMPRE, SEM JAMAIS PERDER A RAZÃO

São inúmeros os assuntos que se pode dispor esta semana para fazer um artigo, desde o nosso caótico e cada vez mais estressante trânsito, até as incertezas sobre a morte de Márcio Veloso. Poderia enaltecer as mães, pois adoro falar das mães. Mas em outras oportunidades já reverenciei essas guerreiras e vencedoras que dão prioridade á maternidade e a educação de seus filhos, e aí a opção por um determinado fato que obriga-me a não deixa passar sem dar o meu pitaco. Refiro-me aos mais de setentas processos judiciais e intimações policiais que já tive que responder, decorrentes de políticos que se sentem caluniados, injuriados e difamados com minhas críticas, denuncias e informações. Eles sempre se dizem vítimas de “agressões intencionais, com o objetivo de intimidá-los”. E agem de maneira ditatorial cometendo um atentado á liberdade de imprensa, como mero artifício para justificar atos de improbidade administrativa, peculato, concussão, prevaricação, nepotismo e inabilidade administrativa. No fundo, todo mundo gosta mesmo é de elogios, todavia no ambiente político em particular, a crítica é fundamental e é intrínseca ao meio, e quando não existe é porque alguma coisa está errada. A crítica instiga à reflexão e pode conduzir ao aprimoramento pessoal e coletivo. Um dos aprendizados mais importantes na formação do indivíduo envolve a capacidade de lidar com a crítica e com as opiniões diferentes de forma saudável e construtiva. Ainda assim, ela nunca é agradável e nem oferece conforto emocional a quem se destina. Um político não pode deixar de discorrer sobre assunto de significação social, política, administrativa e muito menos “perder a paciência” com profissionais de imprensa provocativos. E sou provocativo sim. Vou fundo na busca de respostas convincentes e verdadeiras. Nesse contexto, não chega a ser surpreendente que exista a tentação de controlar e silenciar as opiniões críticas, principalmente pelos que se valem do poder do cargo que ocupa. A história está cheia de exemplos. Na época do regime militar, regras eram impostas pelo estado que proibiam opiniões ou que obrigavam a concordar com outras opiniões. Como parece inviável erradicar essa tentação da experiência humana, é preciso, ao menos, controlá-la. Conviver com a crítica, que a liberdade de expressão exige, impõe o exercício de virtudes importantes para a democracia. Suportar a crítica é uma forma de manifestar igual respeito e consideração com o outro, e esta é a condição necessária para o ambiente político. E a liberdade de expressão, por evidente, existe para proteger as idéias críticas: o elogio não precisa de proteção. Um político quando se desequilibra por uma crítica, ou não recebe como instrumento de auto-avaliação, perde uma ótima oportunidade de aprendizado e um genuíno meio de identificar e corrigir desconformidades.

WAGNER ENFORCA EINSTEIN EM ITAPETINGA

Na esteira dos protestos criativos feitos pelos professores das universidades estaduais baianas, que estão em greve há quase dois meses, docentes da Universidade do Sudoeste da Bahia (Uesb) construíram dois bonecos para representar a irritação com a forma como o governo estadual está a lidar com a educação superior, na entrada do Campus de Itapetinga. Enquanto um representava um dos mais célebres físicos da história, Albert Einstein, o outro vinha com a foto do governador Jaques Wagner, e estaria a puxar uma corda envolta no pescoço do primeiro. A inusitada forma de protesto seria uma maneira de simbolizar o “enforcamento” que o Governo Wagner faz no ensino acadêmico baiano. O registro foi feito pelo sítio local Sudoeste Hoje, na última quinta-feira (26).

CONTINUA DISPUTA TUCANA POR CANDIDATURA EM 2014

A convenção do PSDB, neste sábado (28), que tentaria obter a unidade da legenda em torno de nomes de consenso paras as próximas eleições, não conseguiu dissuadir José Serra (SP) nem Aécio Neves (MG) da candidatura à Presidência em 2014. Ambos seguem determinados e "com o mesmo sentimento de eliminar o outro", pela disputa à vaga do Planalto, segundo fontes ligadas aos políticos. No sábado, o deputado federal Sérgio Guerra (PE) foi reconduzido à presidência do PSDB, durante a convenção do partido, com mandato até 2013. Na nova configuração da executiva nacional tucana, o grupo de Serra conseguiu emplacar o ex-governador de São Paulo Alberto Goldman na primeira vice-presidência da sigla. Já o grupo ligado Aécio manteve o deputado Rodrigo de Castro (MG) na secretaria-geral da legenda. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso foi mantido na presidência de honra do PSDB. Informações do Painel da Folha, da Folha de São Paulo.

TCU VÊ INDÍCIOS DE FRAUDE EM OBRA DO PAC

O Tribunal de Contas da União (TCU) encontrou indícios de fraude de R$ 29,9 milhões na execução do contrato de gerenciamento de uma das principais obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), a transposição do rio São Francisco. Do valor calculado pelos técnicos do TCU, em relatório aprovado em abril, R$ 27,5 milhões (92%) foram pagos pelo Ministério da Integração Nacional para, provavelmente, remunerar profissionais fantasmas. A conclusão veio ao cruzar dados com nome e remuneração de profissionais contratados, enviados pelo consórcio Logos-Concremat à pasta, com listas enviadas ao Ministério da Previdência Social com os valores pagos a cada funcionário. Segundo a Integração Nacional, o órgão decidiu abrir um "processo administrativo interno para cumprimento das exigências" do TCU, com garantia do "direito à defesa e ao contraditório". O consórcio negou qualquer irregularidade na execução do contrato e afirmou que "o serviço em questão foi plena e satisfatoriamente executado dentro dos parâmetros estabelecidos no contrato". Informações da Folha.

MULHER CORTA PÊNIS DE ESTUPRADOR E ENTREGA À POLÍCIA

Uma mulher entregou à polícia o pênis que cortou de um vizinho que teria tentado estuprá-la em Bangladesh. O pênis foi entregue em um saco plástico no vilarejo de Mirzapur, 200 km ao sul da capital do país, Daca. Segundo a BBC, Monju Begum, 40 anos, casada e mãe de três filhos, acusou Mozammel Haq Mazi de invadir sua casa e a atacar. Segundo Ela, Mazi, que também é casado e pai de cinco filhos, a assediava havia seis meses. Segundo o hospital onde Mazi foi internado, o pênis não poderá ser reimplantado. 'A polícia trouxe o pênis muitas horas após ele ter sido cortado. Estamos tratando-o para que possa urinar normalmente sem o pênis', disse um médico responsável por atender Mazi à BBC. VINGANÇA - Mazi negou que tenha tentado estuprar Monju e disse que o ataque foi provocado por vingança. Segundo Mazi, os dois tinham um caso e Monju teria ficado revoltada porque ele não queria deixar os filhos para morar com ela.

TREZENTOS TRAFICANTES SERÃO ENFORCADOS NO IRÃ

O Irã enforcará 300 traficantes de drogas que estão no corredor da morte, informou, nesta segunda-feira (30), o judiciário iraniano. "Para 300 condenados em crimes relacionados às drogas, incluindo aqueles pegos com a posse de pelo menos 30 gramas de heroína, foram emitidos vereditos de execução", disse o procurador-geral do Irã, Abbas Jafari Dolatabadi. Segundo a Anistia Internacional, o país fica atrás apenas da China no número de execuções, com pelo menos 252 pessoas mortas no ano passado. Além do tráfico de entorpecentes, também são punidos com a pena de morte os crimes de assassinato, adultério, estupro, roubo a mão armada e apostasia (negação da religião), de acordo com a Sharia, lei muçulmana, praticada desde a revolução islâmica de 1979. O Irã minimiza as críticas contra o seu sistema judiciário e acusa o Ocidente de usar dois pesos e duas medidas. O tráfico e o vício em drogas são um grande problema no país, que tem uma longa e porosa fronteira com o Afeganistão, a maior fonte mundial de heroína.

LÍDER DO PR, RÉGIS DESCARTA APOIO A WAGNER

Ao contrário do discurso do deputado federal Maurício Trindade, de que haveria possibilidade de o PR ingressar na base do governador Jaques Wagner (PT), a bancada estadual, por meio do seu líder na Assembleia, Sandro Régis, refuta a hipótese. De acordo com o parlamentar, os quatro representantes da legenda no Legislativo baiano – ele, Reinaldo Braga, Elmar Nascimento e Graça Pimenta – não mudarão de lado. “Eu tenho tido o cuidado de conversar com todos os deputados e estou convencido de que não existe essa possibilidade. Até porque somos quatro: Eu e Elmar, possibilidade zero; Reinaldo é o líder da oposição e Graça tem sempre nos acompanhado na votação”, diagnosticou, em entrevista ao Bahia Notícias. Régis argumenta ainda que Trindade, embora seja da ala de apoio à presidente Dilma Rousseff na Câmara, não tem como estender a aliança no plano local. “Respeito muito a figura do deputado Maurício Trindade, sei que é influente na esfera nacional, mas ele só pode falar por ele e pela bancada federal, não pela estadual”, alertou. (Evilásio Júnior).

OAB DEFENDE AFASTAMENTO DE PALOCCI

O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Ophir Cavalcante, defendeu, nesta segunda-feira (30), que o ministro Antonio Palocci seja afastado de imediato do cargo. Cavalcante acredita que a medida "soaria muito bem" até que o titular da Casa Civil explicasse sobre o crescimento do seu patrimônio. Em entrevista divulgada pela assessoria de imprensa da OAB, o presidente da entidade criticou a decisão da Controladoria Geral da União de não abrir uma investigação sobre as denúncias. "O pedido de afastamento é algo que soaria muito bem no âmbito da sociedade; é algo que deixaria o governo Dilma muito mais tranquilo", disse. O presidente da OAB também disse ser favorável à abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) no Congresso para investigar as suspeitas. "A CPI é um instrumento democrático que está posto para a sociedade na Constituição", afirma.

FLANELINHAS AGRIDEM DONO DE CARRO QUE SE RECUSOU A PAGAR

Dois flanelinhas agrediram o dono de um carro nesta segunda-feira (30) na avenida Cinquentenário, em Itabuna. Segundo informações da delegada Gildete Duarte, responsável pelo plantão desta noite, além de agredir Ronil Queiroz Trindade Santos, 24 anos, com uma facada no pescoço, os flanelinhas também atingiram Rodrigo Queiroz Trindade Santos, irmão do motorista, com pedradas na cabeça. Segundo a delegada, a agressão aconteceu na Praça Camacã, após Ronil ter se negado a pagar o flanelinha, dizendo que não era obrigado a dar nada, já que o estacionamento é público. O flanelinha Osmário da Silva Conceição colocou a mão dentro do carro para tentar roubar algo. Diante da situação o irmão de Ronil, Rodrigo, saiu do carro e acabou entrando em luta corporal com o irmão do flanelinha, Osmar da Silva Conceição, que também estava cuidando de carros na praça. Ao ver que Rodrigo estava apanhando e que mais quatro flanelinhas, ainda não identificados, vinham para ajudar Osmar, Ronil saiu do carro para socorrer o irmão. Osmário correu com a faca na mão e atingiu Ronil. Pessoas que passavam pelo local ajudaram as vítimas, que se abrigaram na frente de um banco até a chegada de policiais militares. Osmário foi autuado em flagrante por tentativa de homicídio e será encaminhado para o Conjunto Penal de Itabuna. Osmar foi autuado por lesões corporais e responderá pelo crime em liberdade. As vítimas Ronil e Rodrigo foram socorridos pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) e já foram liberados. (Mayra Lopes).

TUDO VALE PORQUE NADA VALE

É claro que o homem – se quer ser fiel a si mesmo –, e uma sociedade – se deseja ser sadia –, não podem fazer pouco de perguntar sobre Deus... Um Deus que responda à questão “que é” e “para que é” o ser humano. O drama é que o mundo atual silenciou a questão de Deus, construindo uma existência preocupada simplesmente com o mundano, abdicando de buscar o Absoluto! Daí a abdicação da verdade e a indiferença aos valores: tudo vale porque nada vale! Isto se manifesta fundamentalmente em duas atitudes de hoje: a fuga ante a morte e a mentalidade de aproveitar a vida numa dissipação do consumismo hedonista, do cultural como espetáculo e do turismo como distração. Assim, o sentido da vida é banalizado e ficam poucos resquícios de Deus! A consequência última de tal situação é o medo, velado e nunca admitido: O homem numas muitas vezes se exalta como norma absoluta. Noutras deprime-se até o desespero. Donde sua hesitação e angústia. Mas que significa essa rejeição a Deus na sua providência paterna? Por que o homem o refuta? No fundo, a rejeição ao Pai é medo de encarar a morte. Viver é conviver com a idéia que tudo, antes ou depois, terminará. A perspectiva da morte compromete a cada momento o sentido da vida: o que haverá após a morte? Que sentido tem minha vida? Para onde vão meus esforços, sofrimentos, renúncias, minhas poucas consolações? O Pai aparece neste horizonte como aquele ninho de amor e aconchego ao qual podemos nos abandonar sem reservas, o porto onde nossos cansaços e ânsias repousarão, o coração no qual temos a certeza de não sermos rejeitados. O Pai é, portanto, a evocação da origem, da ânsia e saudade de felicidade que sentimos; o Pai é evocação do seio materno, da pátria, da casa, da intimidade, daquele diante de quem podemos ser nós mesmos, da Face bendita à qual podemos olhar sem temor. A necessidade que o homem tem do Pai é equiparável à necessidade de um ponto de referência, de um refúgio, uma intimidade, um ser compreendido e acolhido. O Pai é pai e mãe! Sem esse seio acolhedor o homem se desumaniza, desestrutura-se, perde sua identidade e o sentido de vida e de relação com o mundo e com os outros: sem consciência de ser filho o homem perde também a consciência de ser irmão! A razão principal da dignidade humana consiste na vocação do homem para a comunhão com Deus. E não vive plenamente segundo a verdade a não ser que reconheça livremente aquele amor e se entregue ao seu Criador.

SOU O QUE SOU E ME ORGULHO DISSO

Quem vê cara, definitivamente não vê coração! Digo-lhe isso caro leitor, por ter tido experiências próprias; não que tenha sido enganado por alguém, eu que me enganei. O mundo é um lugar curioso, muito curioso por sinal. Podemos comparar amigos com os elevadores. Curioso não? Talvez infeliz comparação para pessoas tão nobres como os amigos. Mas é verdade, alguns te levam para cima, outros para baixo, alguns sufocam e te prendem. Eu ando pelas ruas. E meus amigos cadê? Belíssima letra de Adriana Calcanhoto, Cadê nossos amigos? Amigos que tanto os poetas falam; amigos que tanto dizem que podemos confiar. Não os vejo. Amizade não é distribuição de elogios, nem mesmo companhia para baladas e companheiros para conversas. Amigo de verdade é aquele que fala com os olhos, acalma com gestos e que se preocupa em saber como foi o seu dia e coisas assim. Amigo bom é aquele que discorda de você, mas usa da delicadeza. E o inimigo amigo? Existe outra espécie de amigo. Aquele que te ilude. Esse amigo te chama de amigo e por trás de você apunha-la, compete e deseja mal. Tenho cara de menino, não sou sexy, não bebo cerveja, não uso short e não causo na balada. Leio, tiro fotografia, estudo e escrevo. Pelo menos para alguma coisa eu sirvo. Ah! Eu também me preocupo com meus amigos. Escolhi ter personalidade. Sei que pagarei um preço muito alto por isso. No entanto, tenho compromisso com meus princípios. Não nasci para agradar ninguém; muito menos para ser adorado e ganhar condecorações das pessoas. Serei forte o suficiente para encarar o mundo, mesmo que eu não esteja de acordo com ele. Farei minhas escolhas, aliás, elas já estão feitas. Viverei em meu mundo: de cabelos brancos, lendo, fotografando, escrevendo e sonhando. Vou aproveitar minha vida, porque ela é rara!!!

NOS BASTAMOS QUANDO NOS COMPLETAMOS NO COMPARTILHAMENTO

As afinidades interpessoais, sobretudo aquelas que se tornam intensas durante algum tipo de relacionamento afetivo, revelam a possibilidade de comodidade, entre aqueles ligados pelo querer intrínseco ao ato sublime da constituição de intimidade, sobretudo no conforto do outro. Por esta razão, nessa dialética afetiva, torna-se tão banal a vontade voluntária de gratuitamente nos despirmos de todo e qualquer pudor ou escrúpulo, para a partir daí, assumirmos realmente quem somos, em nossa singularidade. Dessa forma, abertos ao diálogo com o outro, nos expomos espontaneamente à análise e à crítica daquele que se constitui, enquanto interlocutor ativo e interessado, no que somos e naquilo que realmente representamos enquanto entes existenciais. Por isso, perdas e reencontros são banalizações da existência, portanto, em momento algum podem ser negados ou desprezados, pois fazem da vida humana, nesse constate fluxo e refluxo em direção as incertezas de um vir a ser, ratificadores enormes da dinâmica apropriada às relações do gênero humano. Contudo, presos as significações simbólicas de nosso "ser-no-mundo", encaramos as dificuldades de auto-afirmação como metas a serem atingidas desesperadamente, enquanto pontes contínuas e ininterruptas entre o nosso eu e o eu do outro, tendo em vista, objetivamente, a necessidade de certo "sentir-seguro", nos lançamos livres e desinibidos na singularidade daquela figura representativamente tão humana quanto nós mesmos; contudo, possuidora da raiz mais profunda de nossa intimidade, conformada à realidade existencial do outro. Rememoramos o passado continuamente, por acharmos escondido entre seus escombros, resquícios de momentos de íntimo sentimento de conforto, ao qual podemos naturalmente traduzir como sendo uma agradável sensação de prazer, que se perdera ao longo do tempo integralmente, entretanto, ainda guarda em si mesma certa carga extraordinária de experiências que nos tornam o que somos: amantes incondicionais do delicioso e enigmático ato de viver coletivamente. Essas recordações, entretanto, se constroem a partir das interações afetivas, fugazes ou não, as quais marcaram fidedignamente nossa existência como algo a se processar no mundo e com o mundo, através de doações de significados estabelecidos entre a nossa realidade e a realidade do outro, isto é, no conforto ou não de nossas intimidades, embora nem todas as relações sejam realmente boas. Quando nos relacionamos com alguém, sempre, de forma consciente ou não, buscamos nossas idealizações mais íntimas. E, na maioria das vezes, mesmo parecendo impossível, tentamos moldar o ser amado ou desejado, de acordo com o que esperamos dele. Tudo isso em busca de um pressuposto conforto de intimidades, na esperança de consolidar, de algum modo, para si mesmo e para os outros, na grande maioria dos casos principalmente, a inalienabilidade da satisfação alcançada na imagem prefigurada do outro, em harmonia com as demandas, sejam elas reais ou não, criadas por nós mesmos, para justificarmos a apropriação daquele o qual simboliza a satisfação de nossa hipotética necessidade de auto-afrimação, ou seja, a segurança de nossa intimidade assumida como algo que não depende, apenas, de nossa subjetividade. Há indescritível deleite quando, seguros da saciedade de nossas aspirações, abraçamos o outro como se fosse parte componente indispensável da dimensão humana singular, sedimentada nessa enorme carga emotiva e sensitiva que somos todos nós. E, embora relutemos bastante em aceitar, precisamos perceber nossas limitações angustiantes, para vermos, somente assim, com extrema naturalidade, a completude que se faz em nós pelo outro. Porém, em momento algum, podemos nos esquecer da indissociablidade, ao longo desse processo, da importância assumida por nosso ser relacional e singular dentro dessa relação dicotômica e, a empatia indispensável para a acomodação do outro em nós mesmos, a qual deve ser essencialmente de interdependência, no conforto de intimidades respeitáveis e, principalmente, cúmplices de uma vivência marcada por doações recíprocas e incondicionais de afetividade. Por isso, em circunstância nenhuma, deverá haver o aprisionamento de um pelo outro, mas apenas uma cumplicidade absurdamente variada de doações, trocas e renuncias, para sermos um a alegria deliciosa e aconchegante do outro.

PERDOAR É CUIDAR DAS FERIDAS E SUJEIRAS

Nas relações mais próximas, agredimos sem intenção ou intencionalmente, mas agredimos. Não respeitamos o tempo do outro, a história do outro. Na vida causamos transtornos a muitas pessoas e, consequentemente, transgredimos a vontade de Deus, porque somos pecadores, imperfeitos. Nas esquinas da vida, pronunciamos palavras inadequadas, falamos sem necessidade, incomodamos. Parece que o mundo gira em torno dos nossos desejos e o outro é apenas um detalhe. E, assim, vamos causando transtornos. Esses transtornos tantos mostram que não estamos prontos, mas em construção. Tijolo a tijolo, o templo da nossa história vai ganhando forma. Em alguns momentos, não somos capazes de compreender o tamanho da dor. Em outros, a edificação parece mais leve, o amor alivia o árduo trabalho. E assim é a nossa vida. O outro, o meu próximo, também está em construção e também nos causa transtornos. E, às vezes, um tijolo cai e me machuca. Outras vezes, é tinta ou o cimento que suja o meu rosto. E quando não é um, é outro. E o tempo todo preciso ser limpo, ter minhas feridas curadas, preciso me dispor, assim como os outros que convivem comigo também têm de fazer. Os erros dos outros, os meus erros. Esta é uma conclusão essencial: todas as pessoas erram. A partir dessa conclusão, precisamos chegar a um denominador comum: o perdão. É compreender que os transtornos são muitas vezes involuntários. Que os erros dos outros são semelhantes aos meus erros e que como peregrinos de uma jornada é preciso olhar adiante. Se nos preocuparmos com o que passou, com a poeira, com o tijolo caído, o horizonte deixará de ser contemplado. E será um desperdício. O convite que eu faço é que você experimente a beleza do perdão. É um banho na alma. Deixa leve. Uma boa confissão ajuda a reconhecer as nossas falhas e, mais do que isso, nos impulsiona a buscar a serenidade, a harmonia e a paz que apenas o perdão pode proporcionar. É preciso reconhecer: Se eu errei, se eu magoei, se eu julguei mal, devo buscar desculpar por todos estes transtornos, pois estou, estamos em constante construção.

29 de maio de 2011

OS BONECOS DE VENTRILÓQUOS DE GERALDO NA IMPRENSA

É habito no Brasil os políticos possuírem rádios e jornais. A maioria os possui. Entretanto, existem aqueles que preferem ser dono de jornalistas e radialistas. Esta última opção é mais acessível e menos dispendiosa. Comprar e manter uma emissora de rádio, ou fazer um jornal circular ininterruptamente, requer muitas milhares de notas de cem reais. Mas, manter profissionais de imprensa sob o domínio de uma coleira, é mais confortável e barato. Existem jornalistas e radialistas, infelizmente, que não custam mais que três a seis cédulas de cinquenta reais. Geraldo Simões não é estúpido e sabe que rádio e jornal, demandam tempo que ele não tem, embora dinheiro não seja nenhum problema para ele. Na condição de “empresário do voto”, ele decidiu economizar e aproveitar ao máximo, o efeito do “custo-benefício” e partiu para fazer compras nas redações de jornais e estúdios de rádio. Há quem se conVence e Tome sua Anunciação de boas intenções. Eu e a maioria, não!

A ARTE NOS LEVA A REFLETIR SOBRE NOSSA VIDA

Qual a função da arte na sociedade? Entreter? Mostrar caminhos ou trazer conhecimento e visão apurada sobre o nosso cotidiano? Um fotógrafo tem a mesma visão nossa na hora da foto? A arte é muito vasta, atende todos os gostos através do teatro, cinema, música, pintura, dança, pintura, artesanato, literatura e fotografia. Cada uma dessas opções são formas distintas de arte. No entanto, uma pode influenciar a outra, uma vez que livros podem virar filmes, dança e música e todas estão ligadas e formam o casamento perfeito entre teatro e fotografia. Um corpo nu, por exemplo, para a fotografia não tem nada de pornográfico. Os fotógrafos, com sua sensibilidade, usam focos em que seja possível admirar as formas perfeitas do corpo humano. Qualquer texto literário ou não, nos faz pensar sobre o que acontece não só no mundo, mas também em nossos sentimentos mais profundos. A literatura tem como princípio demonstrar os fatos históricos através da arte. Arte é sim uma maneira de conhecimento. Não obrigatoriamente didático, ou seja, uma aula. A arte pode levar ao raciocínio, a compreensão de nossos sentimentos. Ela não pensa por nós, nem mesmo impõe uma regra, mas mostra inúmeros caminhos, conflitos internos e externos, que às vezes não percebemos em nosso dia-a-dia. Artistas são chamados de artistas, por possuírem sensibilidade mais apurada que a nossa. Um exemplo, A Segunda Guerra Mundial. Sempre estudei sobre o assunto através dos livros, mas nunca um livro me comoveu tanto como assistir filmes sobre ela. Vendo as imagens, por um momento parecia tudo real, possibilitando o quase sentimento de dor e lamento, por saber que seres humanos são capazes de fazer uma barbaridade daquela. Religião nos leva a compreender nosso caráter e moral. Todavia, não nos faz refletir sobre o que o mundo está fazendo. Apenas está preocupada em salvar nossas almas dos pecados. Pecados que são relativos. Como o segundo casamento proibido, fazendo com que algumas pessoas sintam-se receio de ir a igreja. Ou até mesmo por causa da cobrança de dízimos, que prometem “um pedacinho do céu”. Não que eu seja ateu, ao contrário sou católico, mas tenho sinceridade o suficiente para discordar de certos mandamentos da minha igreja. Mas, onde entra a arte nessa história? A arte é capaz de nos fazer refletir até mesmo sobre nossas crenças. Me indignou a omissão da igreja diante do holocausto da Segunda Guerra Mundial. Ora, existe pecado maior do que a omissão? Omissão diante da morte de crianças, que não pediram para nascer nesse mundo louco em que vivemos. A arte é a única capaz de discutir isso e tacar na cara de quem for o triste passado enterrado não só da igreja, mas de tantas outras instituições e do nosso próprio caráter. A arte ninguém excomunga, não cala, não mata. Ela renasce a cada dia, em diferentes formas e para diferentes públicos. Deveria ser mais respeitada e valorizada, mas infelizmente muitos ainda acreditam que arte é futilidade e uma forma fácil de ganhar dinheiro.

POR QUE GERALDO RESISTE EM SAIR CANDIDATO?

Muita gente está sem conseguir compreender a rejeição de Geraldo Simões em se candidatar a prefeito em 2012. Os militantes do PT desejam ele e o governador Jaques Wagner até exige que ele seja candidato. As pesquisas apontam que sua candidatura é a mais forte entre seus prováveis concorrentes internos: Vane do Renascer e a esposa Juçara Feitosa. Suas condições são bastante favoráveis, se considerada questões de estrutura e financiamento de campanha, pois seus correligionários comandam os governos do Estado e da União. O petismo está na moda e tal qual uma “Coca-Cola”, o “produto” não tem muita dificuldade nenhuma de sair da prateleira, ou neste caso específico, sair da geladeira. Mas Geraldo já perdeu duas eleições municipais seguidas e uma terceira derrota deixa qualquer competidor na lona, nocauteado! É nesta realidade que ele titubeia. Geraldo sonha em voltar a ser prefeito de Itabuna, mas tem pesadelos com os históricos de José Oduque e Ubaldo Dantas. Ambos foram os melhores prefeitos da história de Itabuna, mas depois de seguidas derrotas, acabaram no “fundo do poço” de qualquer perspectiva de retornarem ao comando da Prefeitura. Oduque e Ubaldo estão no ostracismo da política local. Geraldo reluta contra este destino. Ele sobrevive na política, como caronista nas vitórias do PT estadual e nacional. Estes fatos impedem que ele assuma a tentativa de suceder o Capitão Azevedo. Outra realidade dramática para o petista, é o fato dele não conseguir convencer seus ex-aliados e recomporem coligação em sua pretensão majoritária e muito poucos e quase que insignificantes, política e eleitoralmente, são seus novos aderentes. Ninguém que conhece seu caráter frio, calculista, mórbido, confia em sua inadimplente palavra. Geraldo não honra acordos e suas intenções são tão limpas quanto sua Ficha no Supremo Tribunal Federal-STF e uma latrina abarrotada de titica de galinha. O povo itabunense não dar sinais de que embarcaria numa viagem, comandado por um político que não faz nada para melhorar sua qualidade de vida e que não possui nada para mostrar como benefício para sua cidade em função de sua biografia de Presidente da CODEBA, Secretário Estadual de Agricultura e duas vezes deputado federal. A relação dos antigos amigos, companheiros, aliados, coligados, financiadores e eleitores de Geraldo Simões é tão extensa que o faz temer se deparar com alguns deles em sua necessidade de visitações domiciliares, inevitáveis em suas caminhadas na tentativa de voltar a ser prefeito de Itabuna. O barco de Geraldo está afundando e seus náufragos buscam sobrevivência nos botes de Leninha da Auto-Escola, Vane do Renascer, Davidson Magalhães, Wenceslau Júnior, Luiz Sena, Roberto de Souza, Carlito do Sarinha e todos estes estiveram com ele nas eleições passadas e juram que rejeitam para 2012 sua candidatura, ou da sua esposa marionete, tanto quanto o diabo foge da cruz. Se criarem a Associação de Traídos por Geraldo Simões-ATAGS e tiverem que convocar uma Assembléia Geral, o maior problema será conseguir um espaço para juntar tanta gente. Até sugiro desde já, que este encontro seja realizado no Estádio Luiz Viana Filho, o Itabunão, e em três momentos: manhã, tarde e noite, pois ninguém poderá ficar de fora. Caso contrário, é só aguardar o dia das próximas eleições e estas mais de 60 mil pessoas estarão manifestando sua ojeriza através das urnas eletrônicas. Isto sim, é que faz Geraldo não ser candidato a prefeito de Itabuna.

LÍQUIDO DIÁBOLICO VALE MENOS QUE ÁGUA NO ITABUNA

O Itabuna representa sua cidade na segunda divisão do campeonato baiano e assim propaga seu nome para o resto da Bahia, sobretudo quando a imprensa estadual divulga os detalhes dos seus jogos oficiais. Em seu rastro vão as empresas que sabem o quanto é proveitoso divulgar suas marcas vinculadas ao time, que tem feito bonito em suas partidas e que lidera entre todos os times que tentam compor o quadro da elite do futebol da Bahia em 2012. Para facilitar as soluções para seus problemas de orçamento, o Itabuna fechou contrato com duas empresas como patrocinadoras oficiais. Uma dessas empresas comercializa produtos que o diabo gosta: cachaça! Este anunciante é a Pitu. O outro contrato foi acertado com a Emasa, que é a empresa responsável pelo abastecimento de água potável para os itabunenses. E água é coisa de Deus. Cachaça é coisa do diabo. Essas afirmações são certas. Errado é o que fez a diretoria da Emasa. O produto do diabo tem contrato de 8 mil reais por mês e o liquido de Deus tem o dobro do valor, com a Emasa pagando 16 mil mensais. Ou seja, o diabo tem mais valor neste contexto. Talvez isso explique as denuncias diárias de traquinagens, roubos, falcatruas, corrupção e muitas outras desmoralizações diabólicas no cotidiano da Emasa. No contrato a empresa pública de água e saneamento básico teria direito a expor seis placas de propaganda no Itabunão e até pagou a confecção delas, mas apenas duas placas foram vistas por lá. Cada placa custou 800 reais. Ninguém sabe o que fizeram das demais quatro placas, ou dos três mil e duzentos reais que serviriam para produzi-las. Também não se explica as razões de um contrato com duas empresas, para a mesma finalidade de serviços, com valores tão absurdos quanto cem por cento de diferença. Nem os motivos do prefeito, Capitão Azevedo, em manter como presidente o Alfredo Melo, que até como ladrão já foi denunciado por um dos seus diretores.

PALOCCI É APENAS UM GRÃO DE AREIA NUMA IMENSA PEDREIRA IMUNDA

Os últimos dias estão sendo tempestuosos para uma das figuras públicas mais poderosas do Brasil: o chefe da Casa Civil, Antônio Palocci, é acusado de enriquecimento ilícito. Se o que o levou ao topo da mídia, foi a prática de situações constrangedoras, o desdobramento do caso até agora tem sido complicadíssimo para o petista. Antônio Palocci foi um frade franciscano. Palocci, interlocutor do alto empresariado junto ao Planalto, não esclareceu como seu patrimônio cresceu 20 vezes tão milagrosamente. A oposição e o grito da mídia mais independente no momento não tiveram retorno, mesmo porque os partidos da base aliada do governo defendem coisas até muito piores, desde que os seus interesses sejam preservados. Médico sanitarista viu sua consultoria ser aquinhoada com mais de 20 milhões de reais somente no ano passado, quando estaria cuidando exclusivamente da candidatura Dilma e fora do poder. Não foi como médico do PSF que Sua Excelência aquinhoou tamanha fortuna. Palocci conta não só com a defesa bovina de seus companheiros da base aliada, como também com a cultura reinante no País, excepcionalmente exacerbada no governo Lula, de que quem está no poder no Brasil tudo pode; não precisa responder à opinião pública. Antônio Palocci, caído em desgraça, viu fluir uma avalanche de denúncias contra ele. Homem poderoso viu ruir um passado, um presente e um futuro por um “milagre” quase inexplicável. Os 20 milhões seriam apenas a ponta do iceberg. Palocci via “companheiros” afloraram-lhe algumas riquezas acumuladas no vácuo de sua proximidade com o Planalto. Fato recorrente, elaborado cientifica e meticulosamente também por outros personagens ligados a história recente do poder planaltino. Cheira a tráfico de influência e repasse de informação privilegiada. Seria apenas a ponta do iceberg.

CRIANÇAS NÃO DEVEM SER TRANSFORMADAS EM OPERÁRIAS

Dias passam, enfim atingimos a fase adulta e com ela surgem as dificuldades e os obstáculos. Em determinados momentos, como forma de fuga, fechamos os olhos e, por alguns minutos, recordarmos momentos felizes, nos transportando para um passado que se inicia em nossa infância. Impossível esquecer as brincadeiras, as noites em que dormíamos cansados de pular e de correr em busca da felicidade, caindo e levantando em um ritmo frenético e contagiante. Mas infelizmente nem sempre isso acontece. A realidade da maioria das nossas crianças é outra. Os direitos de brincar, praticar esportes, bem como a liberdade, a proteção, a educação e a preservação da sua integridade física, psíquica e moral não ultrapassam as linhas escritas nos artigos que regulamentam o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). A violação desses artigos está diante de nossos olhos no momento em que saímos de nossas casas e constatamos as mais diversas formas de exploração do trabalho infantil. É comum encontrarmos crianças comercializando balas em semáforos, engraxando sapatos e vendendo amendoins e ovos cozidos em bares e casas noturnas, enfrentando as madrugadas frias e os perigos da noite. Enquanto os filhos de pais da classe média jogam futebol nas quadras da AABB, AFC, GTC... em um belo domingo de sol, crianças com bacias sobre suas cabeças passam oferecendo seus produtos debaixo de uma temperatura altíssima e sem a mínima proteção. É clara a lei é taxativamente contra qualquer trabalho a menores de quatorze anos de idade, salvo na condição de aprendiz. Todavia, como cobrar uma posição do Judiciário para fazer cumprir a lei uma vez que observamos os próprios pais fazendo dos seus filhos operários? A erradicação do trabalho infantil vem sendo meta e proposta de muitos governos, são traçadas as diretrizes e elaborados planos que, na prática, não surtem efeitos positivos que beneficiem crianças e adolescentes. Os dias passam também para esses operários mirins, chegando para eles a fase adulta. Quais lembranças de sua infância virão a sua mente? As vezes em que foram maltratados ao oferecer seus produtos ou serviços, as noites em que não dormiram, pois enfrentavam o frio da madrugada com as flores que murchavam junto com a esperança de saciar a fome ao ouvir um não, ou as surras que os esperavam quando não contavam com a sorte e retornavam de mãos vazias. Afortunados, assim podemos qualificar os que buscam e encontram as lembranças de uma infância saudável. Essa é a fase em que devem acontecer as descobertas, onde as crianças podem correr livremente, aprendendo naturalmente que precisam levantar após cada queda, época em que as atividades são desenvolvidas com satisfação, em que deveria ser permitido brincar de tudo, menos de trabalhar.

O IMPORTANTE É NÃO DESISTIR, NUNCA

Já que a vida é feita de escolhas, devemos caminhar rumo as nossas escolhas. O caminho pode ser longo e difícil ou curto e fácil. Depende novamente do que escolhemos para nossas vidas. Podemos escolher ser honestos ou não, amar ou brincar com os sentimentos das pessoas, viver a vida inteira alienada ou até mesmo “brigando” com o mundo. Geralmente o caminho mais fácil é melhor; economiza sola de sapato. O caminho a seguir é cheio de mistérios. Muitas pessoas passam todos os dias em nossas vidas. Algumas pretendem ficar realmente ao nosso lado, outras não. Certas pessoas lembram de você quando escutam uma música, lê um livro ou poema, vê uma flor, sabem qual é sua cor favorita, seu time de futebol e quando você some, se preocupam. Mas, como todo mundo não é igual, há os rebeldes; aqueles que consideram você como mais um habitante do universo. Não, não são rebeldes, apenas escolheram andar por outros caminhos. A vida é uma longa estrada, na qual todos os dias milhares de pessoas passam. Nessa estrada podem existir milhares muros, barreiras e pedras. Uma vez disse a uma amiga que “Comparo a vida com uma ferrovia”, ela me perguntou o por quê? Simplesmente respondi filosofando: “A vida é longa e cheia de pedras, assim como uma ferrovia”. Nessa ferrovia é importante caminhar com calma e principalmente sem olhar para trás durante o percurso. Deixe que no final da caminhada você veja o quanto foi capaz de caminhar só. Espere alguém sentir a sua falta assim como dizia o grande Bob Marley: “Não viva para que sua presença seja notada, mas para que sua falta seja sentida”. Talvez algum dia caro leitor, alguém venha falar que sentiu sua falta e que estava pensando em você.

NEM SEMPRE TUDO É PARA SEMPRE

Existem momentos na vida que é necessário excluir pessoas, apagar lembranças ruins, jogar fora o que machuca, abandonar o que nos faz mal, se libertar de coisas que nos prendem, olhar para frente e enxergar a imensidão de caminhos ao nosso redor, ao invés de insistir sempre no mesmo erro e na mesma dor. Aprendemos então... a gostar de nós mesmo, e principalmente a gostar de quem também gosta de nós! Não podemos nos prender as circunstancias que nos desagradam, apenas por receio de ousar um novo caminhar. Em todas as nossas decisões de rupturas, as perdas são inevitáveis e por esta razão os ganhos devem ser muito maiores e recompensadores. Nunca podemos nos expor a trocar seis por meia dúzia. Nada é indissociável e infinito. A felicidade deve ser sempre a meta. Quem sofre não pode seguir no mesmo caminho da dor. Mudança devem ser para melhor. E o que mais importa é a felicidade. Esta a pretensão de todos nós. E nada poderá ser obstáculo para nosso encontro com ela.

O PERIGO RONDA NOSSAS ESTRADAS

Chega mais um fim de semana e com a ele a preocupação das polícias de trânsito em relação ao consumo de bebidas alcoólicas entre os condutores. Quando o assunto é motocicleta, a expectativa é ainda maior, tendo em vista que o veículo está longe de apresentar qualquer segurança ao condutor e passageiro em caso de acidentes. O perigo em duas rodas é potencializado pelo consumo de álcool e de demais drogas, o que já vem se tornando parte integrante da movimentação dos fins de semana em Itabuna. E a preocupação em relação a isso não é só das polícias, mas também dos pais e da própria sociedade, que conta seus mortos no início de cada semana. Tendo em vista que as campanhas de prevenção de acidentes e que os alertas sobre os perigos do uso dessas substâncias não vêm surtindo efeito, a expectativa é de que o trabalho das polícias consiga deter a marcha dos índices de ocorrências desse tipo. Resta à sociedade e aos pais esperarem que a segurança pública promova a volta segura de seus filhos para casa. Quanto a isso, pode-se afirmar que as polícias estão atentas à movimentação. A ordem é fazer valer as leis e, nesse caso, não custa à população evitar conflitos por meio da obediência às regras que já são velhas conhecidas de todos: a sinalização, o limite de velocidade.

ORELHÕES, OU BAGULHÕES?

Mais difícil que encontrar um orelhão em condições de uso nas ruas de Itabuna, só mesmo localizar um órgão que se responsabilize pela fiscalização destes equipamentos públicos sob a gestão de uma empresa privada, neste caso a Telemar. A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) estabelece uma série de regras a serem obedecidas pela concessionária, que está sujeita a notificações e multas, mas, na prática, os telefones públicos permanecem entregues a ação do tempo (e dos vândalos) e ao descaso da operadora. E não adianta buscar esclarecimentos junto ao Ministério Público Estadual (MPE) e até mesmo a Superintendência de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-BA) sobre a questão dos orelhões. A busca deve ser na prefeitura, já que não há nenhum tipo de ação judicial a este respeito. Além de formalizar uma queixa na Anatel (através do telefone, 133), os usuários que se sentirem prejudicados podem acionar o MPE e o Ministério Público Federal (MPF) – por meio de assessorias de bairro ou alguma outra entidade – cobrando da operadora que cumpra com suas obrigações, assim como a prefeitura e o governo do estado. Se os orelhões são bens públicos, cabe também ao poder público zelar pela conservação destes equipamentos, oferecendo segurança nas ruas e coibindo a ação dos vândalos. De acordo com as normas da Anatel, a concessionária dos telefones públicos só pode receber no máximo oito solicitações de reparos a cada 100 equipamentos por mês. A empresa tem por obrigação desfazer a manutenção dos equipamentos e ainda segundo a agência, as concessionárias possuem sistemas que permitem a identificação de quantos orelhões estão sem funcionar sem a necessidade de a população gerar essa demanda. Caso não cumpram essas regras, podem ser multada e as sanções aplicadas variam entre notificações e multa, que em casos extremos, como defeito constante na maioria dos orelhões pode chegar a R$ 50 milhões. De acordo com a Anatel, a densidade de equipamentos no Brasil, é de um telefone público a cada 300 metros.

A SAÚDE ESTÁ DOENTE NA BAHIA

Pelo menos dois tipos de desigualdade afetam a oferta de serviços de saúde na Bahia: as regionais e as de acesso da população a equipamentos e profissionais mesmo onde não há carência deles. É um “deus nos acuda” necessitar dos hospitais Roberto Santos e Geral do Estado. E ambos ficam bem próximos dos gebinetes do secretário estadual de saúde, Jorge Solla e do governador Jaques Wagner. A situação de sucateamento e precariedade nos serviços de saúde pública, não é diferente em Feira de Santana, Vitória da Conquista, Jequié, Ilhéus, Itabuna e em todas as cidades baianas. Mais grave é a situação de municípios que nem possuem hospitais. E estes são a maioria na Bahia. Outro problema é a demora na marcação de consultas e exames. Morar na capital da Bahia, Salvador, não garante que estes serviços sejam prestados no tempo devido. Se a pessoa depender da rede pública de hospitais ou de estabelecimentos particulares conveniados com o SUS, é provável que enfrente filas. A desigualdade se manifesta de forma inequívoca no acesso a equipamentos para diagnóstico por imagem. São ferramentas basilares da medicina contemporânea, como aparelhos de tomografia, ressonância magnética e mamografia, entre outros. Há de se registrar, que, recentemente, a diretoria do Hospital de Base Luiz Eduardo Magalhães colocou o aparelho de tomografia para funcionar, evitando assim, que seus pacientes tivessem que ser deslocados até o Hospital Luiz Viana Filho, em Ilhéus, para tal procedimento. E que mais aparelhos de respiração artificial foram adquiridos. Tal estado de coisas não irá se alterar sem um programa bem focalizado de melhoria de acesso. Não basta, obviamente, comprar equipamentos caros e deixá-los enferrujar em prédios vazios - como ainda se vê em alguns casos. É preciso ter pessoal treinado para operá-los e mantê-los.

MARCHA DA MACONHA VIRA PROTESTO PELA LIBERDADE DE EXPRESSÃO

Em razão da proibição da ‘Marcha da Maconha’ pela juíza auxiliar da 1ª Vara de Tóxicos, cerca de 50 pessoas com mordaças na boca foram ao largo do Campo Grande, no Centro de Salvador, para protestar pela liberdade de expressão por volta das 15 horas deste sábado (28), horário em que estava prevista a marcha. A Polícia Militar acompanhou a manifestação pacífica, que não exibiu bandeiras e cartazes a favor da legalização da maconha, mas pediu a abertura do debate sobre o assunto, sem mencionar a palavra "maconha". A manifestação, que seguiu até as 17h30, não teve repressão da polícia militar, mas chamou a atenção de pessoas que circulavam pelo Campo Grande e motoristas que trafegavam no local, provocando um leve congestionamento na região. A proibição da juíza ocorreu em razão de uma ação cautelar com pedido de liminar para suspensão do evento proposta pelos promotores de Justiça do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas e de Investigações Criminais (Gaeco), do MP, Ediene Lousado (coordenadora), Paulo Gomes, Gervásio Lopes e Marcos Pontes. Segundo nota do MP, os promotores argumentaram que “a maconha apresenta um grau elevado de dependência psicológica, sendo considerado crime induzir, instigar ou auxiliar alguém ao uso indevido de drogas”.

28 de maio de 2011

GERALDO MAGELA É DENUNCIADO POR SINDICALISTA

O programa “De olho na Cidade” (Rádio Jornal) enviou o radialista Jarles Soares, para saber sobre o passado do atual secretário de saúde da Prefeitura de Itabuna, Geraldo Magela, nas cidades de Teixeira de Freitas e Eunápolis. No decorrer do programa de hoje-27, Jarles participou, via telefone, de um dueto com o radialista Val Cabral e ambos entrevistaram o sindicalista Raimundo Lúzio, que denunciou Magela como perseguidor de servidores públicos e causador de um rombo de milhões de reais ao erário da Saúde Pública de Teixeira de Freitas. Entre as acusações, está a contratação de uma empresa que revende materiais de construção (causou perplexidade a constatação de que no endereço desta empresa funciona uma loja de venda de produtos de consumo canino), para prestação de serviços de limpeza na Secretaria sob o comando de Geraldo Magela, que também foi denunciado como sócio de clínicas prestadoras de serviços superfaturados à prefeitura. Segundo informações de Raimundo Lúzio, que é dirigente do Sindicato dos Servidores da Saúde da Prefeitura de Teixeira de Freitas, somente com a empresa de materiais de construção, que presta serviço de limpeza e cujo endereço é de um Pet Shop, o rombo causado por Magela é de 90 mil reais por mês e quase um milhão de reais por ano. Jarles Soares continua em Teixeira de Freitas e em seguida partirá para Eunápolis, onde a situação de Geraldo Magela requer uma averiguação mais determinada e sistemática.

40 MIL PARA SE AVERIGUAR O QUE JÁ HAVIA SIDO INVESTIGADO NA CÂMARA

A desmoralização das Comissões Especial de Inquérito (CEI), instrumentos de que dispõe o Legislativo para cumprir uma de suas funções mais elementares, parece ter chegado a um ponto sem retorno. Até recentemente, o pior que acontecia era o cheiro forte de orégano se espalhando pelos corredores da Câmara Municipal de Itabuna, para anunciar que mais uma longa série de depoimentos e troca de desaforos tinha se transformado em pizza. Ou seja, parte dos nossos atuais vereadores não apenas vem abrindo mão de legislar, passando a aguardar a chegada de mais uma votação rendável, como também colocou os compromissos com quem distribui verbas acima da missão de defender o interesse público por meio da fiscalização e identificação de culpados por eventuais desvios e irregularidades. Parlamentares de Itabuna não se acanham ao dizer que são verdadeiras as denuncias de que houve falcatruas envolvendo seus pares e que estes são a maioria da Câmara. E a maioria vota sempre para suplantar a minoria que se indigna e vota contra a sujeira que faz o ambiente ficar fétido e hostil. Mas, a minoria será sempre a minoria e esta regra inviabiliza o “descascar do abacaxi”! Há, portanto, com que se preocupar o cidadão. O dinheiro público, como se constata, parece estar sendo tratado como o conteúdo que enche pinicos e entope latrinas. Que a Câmara de Vereadores gastava muito e mal, já se sabia. Agora se informa que nem aviso de desvio serve para conter o descaso com o imposto arrancado do contribuinte. Tal facilidade deve explicar a falta de constrangimento dos que defendem os vereadores implicados em fraudes, que somam quase 5 milhões de reais. Para causar mais prejuízo ao erário, demonizar e desmoralizar a CEI, o presidente Ruy Porquinho cometeu o despautério de contratar uma agencia de advogados (de Salvador) para realizar uma sindicância, pasmem, para investigar o que já havia sido averiguado pela própria CEI. O valor desta porcaria foi superior a 40 mil reais e merece uma CEI também. Desmoralizar os inquéritos parlamentares é desserviço que compromete a construção da democracia e ridiculariza as boas práticas republicanas. Quem tem a ganhar com isso, certamente, não é a cidadania.

O RÁDIO RESISTE AO TEMPO E AS AVANÇOS TECNOLÓGICOS

O rádio brasileiro viveu muitos anos de extrema importância para a população e por muito tempo permaneceu como principal meio de comunicação; não só de caráter informativo, mas como forma de entretenimento, graças aos programas de auditório, as radionovelas e toda a programação musical que divertia os ouvintes. Atualmente o rádio está transformado e ainda se transforma. As mudanças podem ser encontradas desde a apuração das notícias até ao conteúdo veiculado. Era o tempo em que o rádio consolidava-se como o principal meio de informação e utilidade pública, não só das cidades interioranas, mas também das grandes metrópoles. Antigamente no rádio se narrava de tudo. Desde a notícia do furto da galinha até o estado de saúde do seu José. Um veículo de jornalismo, sem jornalista. Eis aí uma característica que perdura até hoje em algumas emissoras de rádio. Não há jornalistas em suas redações. Com a estréia da televisão no Brasil na década de 1960, muito se ouviu sobre o fim do rádio. Para muitas pessoas a televisão se tornaria o único e principal meio de comunicação. No entanto, o rádio sobreviveu e vem sobrevivendo a cada nova mídia. Sua versão está se adaptando até na internet, através da rádio web. Trabalhando com equipes e receitas reduzidas pela baixa audiência, as empresas radiofônicas tentam sobreviver através de classificados, ou seja, venda de produtos e bens durante a programação. O locutor faz o papel de corretor e negocia preços e condições de pagamento; assim como se estivesse em uma loja. O rádio no Brasil não vive mais a época em que o repórter deslocava-se até o local onde estava acontecendo o fato e transmitia tudo ao vivo através de uma super cobertura que aguçava a imaginação dos ouvintes. Hoje, tudo é frio como as folhas dos releases enviados para os locutores, é distante como a entrevista pelo telefone e tão improvisado quanto a leitura dos jornais e matérias frias ou engavetadas. Foi a época em que se via mulheres apaixonadas por uma voz, senhoras sentadas na sala atentas as radionovelas e senhores deitados nas suas redes com o velho radinho de pilhas, aquele que o acompanhava até o estádio e só descansava à noite na cabeceira da cama. Já se foi a época na qual o radialista buscava histórias da rua, procurando fatos e contando a história da vendedora de bombons. Atualmente não só o rádio está modernizado, mas as histórias e notícias também. O seu José que melhorou de saúde, pode não saber acessar a internet. Pode sentir saudade do rádio antigo. Mas o que seu José pode fazer se tudo está tão moderno? Nem mesmo o barulho das sirenes e os burburinhos dos curiosos ele ouve mais enquanto o repórter relatava o acontecimento. Sabe seu José, não é a polícia que não foi nem mesmo a rua que estava vazia. É o repórter que lê essa notícia em uma sala silenciosa. Nessa sala só se ouve o barulho de uma máquina cheia de teclas. Uma máquina igual aquela que seu neto usa para ficar informado, ouvir rádio e conversar. Sim seu José, ele conversa naquela máquina e muitas vezes se apaixona por uma menina, cuja voz ele nunca ouviu. Lembra seu José de quando sua esposa era apaixonada pela voz do rádio? Hoje nem a voz apaixona no rádio.

QUEM AJUDARÁ OS PROFESSORES?

A qualidade da educação brasileira é alvo de constantes discussões por parte de pedagogos e demais profissionais da arte de ensinar. Muitos são os tópicos discutidos. Entre eles, quantidade de horas trabalhadas, questões salariais, medo de agressões, mau comportamento do alunado em geral, dificuldade de aprendizado, evasão escolar, enfim, tudo que se possa pensar de ruim, inclusive violência entre estudantes e destes para com professores que deviam, no mínimo, respeitar, pois são a única chance que possuem para ter uma vida melhor, porque sem educação, jamais serão nada. Infelizmente, governos federal, estaduais e municipais olham olimpicamente para o lado e fingem que não é com eles. E a questão raramente discutida é: entre as muitas obrigações que cabem ao professor, como ensinar o aluno a aprender, a respeitar a si mesmo e o outro, ser compreensivo, questionador, critico, participativo, tolerante quando preciso, amável, etc, sem o apoio necessário? Que recebe ele em troca? Palavrões, agressões e ameaças à própria vida. No geral, o alunado não sabe ler, não tem ajuda em casa com atividades e pesquisas, são intolerantes, agressivos, impacientes, enfim são tantos os adjetivos negativos, que não conseguiríamos listá-los todos. O Estado, porém, não costuma olhar para a diversidade cultural e patológica dos alunos. Muitos são os que têm atitudes esquizofrênicas, paranóicas, subversivas e que são colocados na sala de aula, sem ao menos passarem por uma avaliação psíquica afetiva, e de aprendizagem. Mas, quem defende os professores, quando agredidos verbalmente no dia-a-dia da sala de aula? A quem recorrer? Como solicitar do Estado políticas que ajudem a sociedade a ser curada dessas patologias que interferem no processo ensino-aprendizagem? Aprender a ser, aprender a fazer, aprender a construir novos caminhos e ter atitudes positivas é o que todos queremos. Mas é bom lembrar que professorado precisa de ajuda, apoio e respeito para trabalhar com dignidade e esperança. Professores precisam de ajuda na escola e apoio político para minimizar essas questões patológicas que não estão aptos a diagnosticar. E a pergunta que não quer calar é: quem os ajudará? A quem recorrer? Ao bispo, como se dizia antigamente? Pensar é preciso. Ou não é preciso pensar? Com a palavra, os que têm a obrigação de resolver questões como essas.

A DROGA TEM QUE SER COMBATIDA, NÃO LEGALIZADA

Nos últimos tempos estamos acompanhando pelos noticiários uma verdadeira guerra entre policiais e traficantes na cidade do Rio de Janeiro. O número de mortos é enorme e entre eles estão policiais e pessoas do bem, que foram vítimas de balas perdidas. A guerra entre a polícia e o tráfico pode por em xeque a vitória do Rio de Janeiro como sede das Olimpíadas de 2016, já que toda a imprensa estrangeira volta os olhos para o Rio de Janeiro devido a constantes acontecimentos de mortes e tiroteios urbanos. O cenário dos morros cariocas lembra um campo de guerra. Imagens feitas por cinegrafistas das emissoras de televisão mostram que as ruas têm grande quantidade de carcaças de balas, além disso, jornalistas trabalham protegidos com coletes a prova de balas e capacetes. Esse cenário leva a outra discussão a respeito da legalização das drogas. Deve ser legalizada ou não? Acredita-se que com a legalização o tráfico diminuirá, pois as drogas poderão ser vendidas no comércio normalmente como o cigarro e álcool, por outro lado a vida estará sendo banalizada. O acesso fácil a essas substancias conseqüentemente aumentará o consumo e cada vez mais nossas crianças estarão perto desse mal e ninguém poderá falar nada, porque as drogas serão legalizadas. A vida das pessoas e policiais que morrem por causa e combate ao tráfico será banalizada. O mais correto é que o tráfico seja combatido com leis rígidas que realmente punam fornecedores de drogas, não leis que beneficiem traficantes. As leis têm que ser severas com traficantes, só desta forma a sociedade estará um pouco longe dos efeitos desse mal que resultam em “guerras” como a que o Rio de Janeiro enfrenta.

A LIBERDADE DE IMPRENSA COMO PROTAGONISTA DA VERDADE

A imprensa é como o órgão principal de uma sociedade, assim como o coração é para o nosso corpo. Uma cidade, cuja imprensa é degenerada ou mentirosa, é uma cidade cega, doente e de falsos sentimentos. Entretanto, há também de se considerar a podridão que é chamada A “prostituição” da imprensa. Muitos órgãos de comunicação se vendem em troco de dinheiro público; que muitas vezes tem o objetivo de ganhar o silêncio ou ganhar críticas favoráveis em jornais, rádios, televisão e blogs. A cidade tem que estar atenta as pretensões e comprometimentos da imprensa que possui. A Região não pode ficar a mercê de um veículo de comunicação partidário, parcial e mercantilista. O principal dever da imprensa, é com a verdade. Antes de todas as coisas, o papel do jornalista, blogueiro, telejornalista e radialista é informar a sociedade, de maneira clara e imparcial. O primeiro compromisso dos veículos de comunicação é com o público, cliente ao qual se destina todas as notícias produzidas. Os profissionais da imprensa devem trabalhar para o público, principal interessado na clareza dos fatos e informação de qualidade. Apenas lamento que atualmente, alguns colegas não tenham esta responsabilidade. Lamento que a imprensa ainda seja formada por profissionais que se esqueceram do compromisso entre jornalismo e sociedade.

UMA LINDA HISTÓRIA PRA REFLEXÃO

Era uma vez um garoto que nasceu com uma doença que não tinha cura. Tinha 17 anos e podia morrer a qualquer momento. Sempre viveu na casa de seus pais, sob o cuidado constante de sua mãe. Um dia decidiu sair sozinho e, com a permissão da mãe, caminhou pela sua quadra, olhando as vitrines e as pessoas que passavam. Ao passar por uma loja de discos, notou a presença de uma garota, mais ou menos da sua idade, que parecia ser feita de ternura e beleza. Foi amor à primeira vista. Abriu a porta e entrou, sem olhar para mais nada que não a sua amada. Aproximando-se timidamente, chegou ao balcão onde ela estava. Quando o viu, ela deu-lhe um sorriso e perguntou se podia ajudá-lo em alguma coisa. Era o sorriso mais lindo que ele já havia visto, e a emoção foi tão forte que ele mal conseguiu dizer que queria comprar um CD. Pegou o primeiro que encontrou, sem nem olhar de quem era, e disse: - Esse aquí... - Quer que embrulhe para presente ? - perguntou a garota, sorrindo ainda mais... Ele balançou a cabeça para dizer que sim e disse: - É para mim mesmo, mas eu gostaria que você embrulhasse. Ela saiu do balcão e voltou, pouco depois, com o CD muito bem embalado. Ele pegou o pacote e saiu, louco de vontade de ficar por alí, admirando aquela figura divina. Daquele dia em diante, todos as tardes voltava à loja de discos e comprava um CD qualquer. Todas as vezes a garota deixava o balcão e voltava com um embrulho cada vez mais bem feito, que ele guardava em sua gaveta, sem sequer abrir. Ele estava apaixonado, mas tinha medo da reação dela, e assim, por mais que ela sempre o recebesse com um sorriso doce, não tinha coragem para convidá-la para sair e conversar. Comentou sobre isso com sua mãe e ela o incentivou, muito, a chamá-la para sair. Um dia, ele se encheu de coragem e foi para a loja. Como todos os dias comprou outro CD e, como sempre, ela foi embrulhá-lo. Quando ela não estava vendo, escondeu um papel com seu nome e telefone no balcão e saiu da loja correndo. Alguns dias depois o telefone tocou e a mãe do jovem atendeu. Era a garota perguntando por ele. A mãe, desconsolada, nem perguntou quem era, começou a soluçar e disse: - Então, você não sabe? Faleceu ontem. Passado alguns dias mais, a mãe entrou no quarto do filho, para olhar suas roupas e ficou muito surpresa com a quantidade de CDs, todos embrulhados e guardados em sua gaveta. Ficou curiosa e decidiu abrir um deles. Ao fazê-lo, viu cair um pequeno pedaço de papel, onde estava escrito: - Você é muito simpático, não quer me convidar para sair? Eu adoraria. Emocionada, a mãe abriu outro CD e dele também caiu um papel que dizia o mesmo, e assim todos quantos ela abriu traziam uma mensagem de carinho e a esperança de conhecer aquele rapaz. Assim é a vida: Não espere demais para dizer a alguém especial aquilo que você sente. Ainda dá tempo... (?) (Autor desconhecido).

COMO EXPLICAR UM CRIME CONTRA A MULHER?

Quais os motivos que levam um homem a cometer um crime contra a mulher? Passionalidade ou premeditação? A classificação dos crimes contra a mulher não é isolada, há um pouco de passionalidade e premeditação em toda violência e todos os crimes destinados à mulher. Em todos os tempos, e não é diferente nos tempos atuais, muitas mulheres continuam sendo vítimas de crimes como espancamentos, violência sexual, moral e homicídios. Na maioria dos casos esses crimes ocorrem em casa, lugar em que a mulher deveria ser protegida. Ciúmes doentio, ego ferido e defesa da honra. Esses são alguns dos motivos utilizados para se explicar um crime contra a mulher. A explicação está sempre na passionalidade, ou seja, emoções afloradas, irracionalidade e falta de controle. O homem espanca e mata por amor e para “limpar a honra” em caso de adultério. A passionalidade vem sendo argumento de muitos crimes que são cometidos contra mulheres. O criminoso não se conforma com o fim do namoro, ou casamento e quer forçar uma reconciliação. Fiquemos atentos para uma questão, a passionalidade e a premeditação podem estar juntas. Passionalidade pelas emoções como ciúmes excessivo, ódio de ter sido trocado por outro homem. Premeditação pelos requintes de crueldade presentes na maioria dos casos, impossibilitando qualquer chance de defesa e sobrevivência das vítimas. Desde que uma arma de fogo esteja no local do crime, pode ser sinal de premeditação. Não se trata apenas de um crime passional; pelas suas atitudes desde o cárcere até o disparo na cabeça, ou golpes de facadas na ex-namorada, ou na ex-esposa, só demonstra a pretensão de tirar e matar. Há um número enorme de assassinos que declaram que, se a mulher não quer mais viver com ele, não viveria para ter um relacionamento com outro homem. O mesmo vale para crimes cometidos em virtude de adultério. A justiça existe e o divórcio também. O casamento pode ter fim sem que um tire a vida do outro, basta um acordo legal e ambos podem continuar suas vidas com outros companheiros. No entanto, a defesa da honra acaba sendo o pretexto desse tipo de crime. A meu ver, sempre um crime passional está acompanhado da premeditação; o agressor ou assassino tem noção de que seus atos podem machucar e matar uma mulher, assim como a violência moral e sexual traz tristeza e vergonha. Quem diz matar por amor deveria consultar o verdadeiro significado da palavra amor. Mata-se por todos os motivos, menos por amor. Nesse tipo de crime o motivo pode ser passional, mas os meios são premeditados.

O PADRE É PAI E MARIDO SEM PODER SE CASAR

O celibato sacerdotal continua sendo – principalmente no contexto do pandemônio sexual em que vivemos – contestado, incompreendido e, muitas vezes, ridicularizado. No entanto, a reflexão que se segue não é uma apologia ao celibato diante de um mundo hostil, mas uma meditação do dogma dessa imposição da Igreja. O celibato sacerdotal é uma norma. Aquele que possui vocação ao ministério sacerdotal e está consciente de não ter recebido o dom de renunciar à vida conjugal não pode ser padre.. O celibato, no entanto, não é uma norma fria, canônica tão somente. Não se trata de simplesmente não casar. O celibato é uma situação que manifesta ao mundo uma das realidades da vida futura. O padre renuncia ser marido e pai biológico. No entanto, essa renúncia permite a ele ser não somente esposo e pai, mas irmão, filho, à medida que o seu coração vai se entranhando de amor e misericórdia pelos que lhes são confiados; ao passo que ele vai sofrendo com os que sofrem e se alegrando com os que se alegram. O cristão deve desejar o céu. Se não o faz, é um meio-cristão. Muito mais o sacerdote; ele não somente deseja o céu, como já vive aqui uma das realidades eternas. Evidentemente, como o Cristo ressuscitado traz as marcas da sua imolação, o celibatário manifesta o homem novo com as marcas das tentações e desafios próprios de seu tempo. Ser celibatário é o dom de um jeito novo de amar. Dom que é um dos frutos do Espírito em nós: a castidade. Essa graça deve ser tão marcante nos padres, que, ao olhá-los, as pessoas aspirem às realidades eternas, desejem serem também habitantes do céu.